.

Dia do Nascimento (Parte I)

|
26 e 27 de Junho de 2013.

Sai da endocrino morrendo de fome, tudo na região que ela tem consultório é caro, resolvemos comer em outro local, assim fomos á um restaurante, comi uma panqueca de frango e salada. Na hora de ir embora pedi um sorvete napolitano comi 3 colheres e dei o restante ao Anderson. Me senti empanzinada, além do cansaço no corpo meu estômago me incomodava,tava um frio danado, ao chegar em casa me deitei.

Levantei no final da tarde tomei um banho e novamente fui pra cama, desde o almoço não consegui comer mais nada, só sentia sede... Anderson estava inquieto, até meio grosso,sabia que estava dificil pra ele ver tudo o que eu estava passando... Aquilo me matava, já não bastava toda a minha cruz agora tinha que aguentar mais esta. Tudo o irritava.

Ás 0h00 levantei e fiz xixi, voltei pra cama, uns minutos depois tive a impressão que estava urinando na cama,apertei o botão do celular e vi que era 1h49 da madrugada,chamei o Anderson ele se levantou e acendeu a luz viu q eu estava molhada, resolvi me levantar dai o liquido não parou de vazar, era bem quente, saia voluntariamente num pequeno jato, depois de termos certeza que era a bolsa, tomamos banho, peguei minhas bolsas e minha cunhada foi conosco pra maternidade.

Não senti dores apenas uma leve cólica, pra ir ao hospital coloquei um absorvente, o mesmo não suportou e tive q usar uma toalha de rosto no meio das pernas. Anderson estava tenso e abobado, ás 2h40 chegamos na maternidade lá esperei bastante tempo, quando fui atendida a médica disse que se tratava de uma bolsa rota (bolsa estourada sem dilatação), ligamos pra minha obstetra a mesma disse que não faria o parto pois só fazia cirurgia agendada, a G.O da maternidade nos falou que por se tratar de um bebê prematuro e pelo diabetes o local não teria estrutura para atender-me, assim fui aconselhada a procurar outra instituição hospitalar já que se eu esperasse a ambulância demoraria cerca de quatro horas.

Chegamos á outra maternidade ás 4h40, passei pela triagem,glicemia 89mg/dl, pressão arterial 12/8, a obstetra fez exame de toque e pediu para realizar o cardiotoco, tive que colocar fralda o liquido não cessava (no total foram seis fraldas). Anderson ficou o tempo todo do meu lado, torcíamos para que eu não fosse transferida já que eu havia sido informada da falta de leito.

                                De fralda,inchada e com a cara abatida. Me preparando para o parto.

Fiquei 6 horas sentada naquelas cadeiras reclinadas, no total foram 3 cardiotocos, no último a enfermeira teve que colocar uma aparelho que vibrava na minha barriga, por que os batimentos estavam mais fraquinhos, disse-me que era pra despertar Davi.

                                               Inchada e com a cara arrasada, porém feliz!

Estava há mais de 12 horas sem comer, tinha que estar em jejum pelo parto,sabíamos que dali só sairia com nosso filho. Fiquei de olho na glicemia o tempo inteiro, meu aparelho ficou ao meu lado, o dextro estava em 75mg/dl, minha maior preocupação era ter hipo, conversei com a equipe médica e pedi soro glicosado, não sabia a proporção só sabia que precisaria. A enfermeira me disse que  receberia uma dosagem de penicilina com o objetivo de nos livrar de infecções e a segunda dosagem eu receberia mais pra frente. Depois da aplicação do medicamento o glicosado seria me dado, perguntei quanto receberia de glicosado me informaram só não me lembro agora, expliquei sobre a bomba, sua funcionalidade e que eu não a tiraria durante o parto (esta foi uma das possibilidade me apresentada). Eu sabia lhe dar com ela e não abriria mão disso.

                                  Assistam este vídeo e vejam como o Davi se mexe durante o exame.

Senti  doer enquanto o medicamento entrava em minha veia,doia muito... Infelizmente meus exames pré-parto não tinham nem sido realizados, me restavam apenas guias nas mãos sem ao menos a realização dos mesmo.

Não tinha noção do quanto era conhecida,pois é, eu era, muitas pessoas falavam comigo como se já me conhecessem por conta do blog, tiravam dúvidas, me agradeciam e por aí ia...

Eu pedi pro Anderson fotografar-me pro blog, por incrivel que pareça ele fotografou sem reclamar.

Termino este post aqui, tomando penicilina, no próximo relato vem o restante da saga até o nascimento do Davi.

Beijo




Nenhum comentário:

Postar um comentário