.

A fé mudou minha história

|
Meu nome é Danielle, 18 anos, DM1 há 9 anos. Tive uma gravidez não planejada, última hemoglobina em 8,4 fiquei totalmente desesperada, fazia uso das insulinas lantus e lispro, mas nunca tive um controle muito exemplar,..Era simplesmente "relaxada". Com o descobrimento da minha gravidez fui correr atrás de todo tempo perdido e decidi que ia me dedicar ao máximo ao controle do diabetes pelo meu bebê.

Continuei usando as mesmas insulinas e as glicemias estavam até que se ajeitando, mas na minha primeira consulta com o endocrino ele me orientou trocar de insulinas sendo estas NPH e REGULAR, segundo ele eram as mais seguras durante a gravidez (estudos mais eficazes sobre elas na gestação). 

Assim que comecei a tomar essas insulinas o diabetes descontrolou novamente, não conseguia acertar as doses. Hora ficava muito alta, hora muito baixa e aí ele pediu para que me internassem. Fiquei uma semana internada com um GO que não sabia nada de DM1 e gravidez , achava que tinha que ser feito tudo do jeito dele e nem aceitava opinião de ninguém. Depois dessa uma semana sai de lá com o diabetes bem mais ou menos e continuava semanalmente voltando para passar com ele (que cada dia queria inventar uma coisa nova que não dava certo) até que uma enfermeira pediu para que ele me desse uma guia para passar com um GO que só atendia casos de alto risco, inclusive era o chefe da ginecologia do meu convênio e que futuramente viria a ser o grande anjo da minha vida. 

Comecei a passar com ele totalmente "esgotada", pra baixo, sem esperanças, mas logo na primeira consulta ele me ajudou , reergueu minhas forças, quis cuidar do meu caso com uma atenção especial e foi me ajudando, com ele direcionando minha gestação as coisas começaram a dar certo.

Voltei a passar com o endocrino (pois o outro GO não queria que eu passasse de jeito nenhum com endocrino) e aos poucos fomos ajeitando as doses das insulinas e foi tudo ficando muito bom, minha hemoglobina até o terceiro trimestre ficou no máximo 6,3 com resultados de 6,2 6,0 5,9 5,1 .


Fazia exames quinzenalmente e passava com o endocrino de 15 em 15 dias e GO as vezes todas as semanas. Fazia exames de glicemia, hemoglobina glicada, hemograma completo, toxoplasmose (pois eu não sou imune), também fiz ultrassons morfológicas 1 e 2 trimestre, obstétrico normal, dopplerfluxometria e em todos graças a Deus minha filha estava ótima! 

Descobri que era uma menininha com 17 semanas, foi a maior surpresa e alegria da minha vida, pois eu tinha certeza que seria um menininho. Escolhi Camilla, pois além de ser uma homenagem a alguém que gosto muito, descobri que um dos significados do nome é "guerreira das lendas de Roma" o termo GUERREIRA tinha tudo a ver com a minha pequena, e ficou assim... 
No final da gravidez devido a minha idade 17 para 18 anos tive algumas complicações, inchei demais e com isso minha pressão subiu. Fui internada com a pressão alta no dia 14/07/2014 lá fiz alguns exames e meu médico decidiu que já estava na hora da minha filha nascer antes que pudesse acontecer algo com nós duas. Então minha princesa nasceu, dia 16/07/2014 com 36 semanas pesando 3,180 kg medindo 47 centímetros.




Ficou na UTI 3 dias pois nasceu com Hipoglicemia e ficou até estabelecer o quadro, teve também um estufamento na barriguinha devido ao mecônio acumulado e precisou fazer lavagem 2 vezes, mas parou quando ela conseguiu mamar. Meu leite demorou cerca de 3 dias para descer e ela era bem preguiçosinha para mamar, mas com o tempo foi aprendendo mamar e hoje só mama no peito. Fora alguns contratempos até esperados de um RN de uma mãe diabética minha filha graças a JEOVÁ DEUS é perfeita, linda e cheia de saúde! Meu maior exemplo!

Meu maior orgulho, a resposta de todas as minhas orações e da minha fé, esforço, determinação e cuidados durante a minha gravidez. 

Não engordei muito, até 34 semanas havia engordado apenas 7 kg, mas de 34 em diante comecei a inchar muito e ganhei 3 kg de inchaço no final engordei no total 10,600 kg quando minha filha nasceu logo o inchaço diminuiu o que já ajudou bastante na perda de peso e eu comecei a amamentar ela também desde que nasceu e isso me fez perder o restante de peso.. Hoje já voltei para o meu peso normal.Era muito rígida com a dieta, comia tudo contado em quantidades pequenas mas de 3 em 3 horas.



Na gestação e alguns dias depois


Uma Mensagem a todas as mães diabéticas, as grávidas ou as que sonham em ser mães, primeiramente é que se cuidem e se cuidem muito! Mesmo que seja difícil todo o esforço no final vale muito a pena! Mesmo que tenham engravidado assim como eu, com o diabetes descontrolado, não se desesperem pois pra tudo há um jeito e que tenham acima de tudo muita fé, pois ela pode mover montanhas, foi o que me manteve forte até ter minha filha nos meus braços. Um beijo a todas as mamães, gravidinhas, tentantes, e pras diabéticas que sonham em ser mães, que Jeová Deus abençoe grandiosamente vocês e seus ou futuros bebês!



Nenhum comentário:

Postar um comentário