.

E ai? Como você encara o diabetes?

|
Quem aqui nunca se desentendeu com seus pais? Com o namorado (a)? Amigos?

Quem aqui nunca estudou obrigatoriamente?

Quem aqui já não teve vontade de matar alguém por sua atitude (não no sentido literal)?

Quem aqui deixou de fazer um passeio em função de algo?

Quem aqui nunca se sentiu injustiçado?

É comprovado, que qualquer, qualquer tipo de relacionamento há discórdias, desentendimentos, alegrias, êxtase e assim segue...

Por que estou falando isso?

Por que sinto que eu e o Diabetes temos um relacionamento, sim nos relacionamos...

Querendo ou não ter diabetes é relacionar-se com ele, é estar com o mesmo a todo o momento. Claro que tê-lo é por vezes frustrante e talvez enlouquecedor , mas não é assim a todo o momento, não é, pois fazemos outras coisas da vida e não a focamos no Diabetes constantemente, embora ele esteja ali, embora nosso pâncreas tenha parado de produzir insulina...

São tantos questionamentos e perguntas que eu passaria o dia aqui indagando, o fato é que há uma discussão latente: O diabetes te limita ou não?

Li em em uma matéria no jornal, uma entrevista com uma blogueira diabética, ela narrava episódios de seu cotidiano, e a forma com que esta lida e vê o diabetes, em um trecho ela diz: "existem dois tipos de diabetes, mas no fim são todos do tipo ruim”, na verdade existem mais de seis tipos de diabetes, sendo os mais conhecidos tipo 1, tipo 2 e gestacional e se eu interpretasse o diabetes assim, desse o poder ao diabetes de ser determinante em minha vida, se eu o visse de forma mórbida e dissesse isso às tentantes, grávidas e mães diabéticas com que convivo, provavelmente elas se sentiriam como eu um dia me senti, impossibilitadas, para baixo e limitadas.

Posso ouvir que cada um lida com o que lê da forma que quer... Concordo! E ainda complemento com a frase de Evelyn Beatrice Hall: “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”

Respeito toda e qualquer opinião, mesmo discordando, é que vejo as coisas por um espectro diferenciado e tenho também o direito de dizê-lo aqui não é?

Eu como blogueira tenho uma responsabilidade com quem me lê, tenho todo o direito de postar minhas insatisfações, desilusões e tristezas com o DM, mas minha vida não se resume as tristezas do viver, me permito rotular, criar um estigma enfatizando o quanto minha doença é ruim, tenho mais o que fazer, tenho mais o que viver...Eu tenho sede de vida!

No meu período gestacional, tive tantas intercorrências... Já pensou se eu me prostrasse?

Depois do diagnostico, fui mãe, me formei três vezes, me dei inúmeras oportunidades de estudar e trabalhar onde quis, estudei o diabetes para entendê-lo e aos poucos ir adequando-o ao meu cotidiano.

A necessidade de buscar insumo existe! No âmbito profissional escuto “gracinhas”? Sim! 
E como intervenho? Educando! Como diz Mandela "A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo." Exemplo ( mas você pode criar o seu): Em novembro (mês do diabetes) pude trabalhar esta questão no trabalho e confesso que não obtive êxito total, porém passei a notar que isso ocorre entre pessoas e sempre haverá algo a se falar e a criticar... 

Conforme minha realidade de vida fui criando métodos, escapes, meios para que aos poucos o DM entrasse dentro da minha realidade.Isso ocorre em relacionamentos sabiam?

Não existe fórmula certa para criar filhos (eu que o diga!) no entanto seguimos o curso da vida tentando... Por que com o DM é diferente? Por que com ele queremos nos intitular "coitados e limitados" ?

As hipos e hipers às vezes acabam comigo? Sim! Mas a enxaqueca que tenho também e o diabetes tem algo a ver?

Buscar insumos é inconveniente e chato? Ás vezes sim, mas não faço compras no mercado? Preciso ir, pois se não passo fome!

Receber o resultado de uma glicada alterada me chateia? Sim! Mas me dedicar a uma disciplina e receber o boletim com nota abaixo da média também me chateia.

Saber que posso ter inúmeras “patias” é um porre? Sim! Mas se eu não cuidar da minha alimentação independente do diabetes provavelmente terei um destes itens: infarto, hipertensão, colesterol, obesidade dentre outros.

Viver com o diabetes é uma delicia? Com certeza não, mas não é um fator limitador.

Ah! Mas preciso comer a cada 3 horas? Queridos, isso qualquer ser humano que zela da sua saúde precisa se alimentar neste periodo.

Ah! Mas preciso me aplicar e medir... E as mulheres com suas regras mensais não precisam efetuar sua higiene?

Parece tosca a comparação, mas não é! O diabetes está em minha vida (mesmo que eu não o tenha escolhido) assim como qualquer fator orgânico está. E ai eu não me adapto e cuido deles?

Você tem o poder de escolha em suas mãos, ou você encara como algo intrínseco a sua vida ou passa a vida toda se lamentando e arrastando multidões com esse seu calvário. Cristo tinha objetivo de salvação, ele irradiava alegria, morbidade cansa!

A forma com que eu encaro determinada coisa diz muito sobre mim, posso ter meus momentos de surtos, mas eles não podem prevalecer, quem determina o  curso da minha vida, sou eu!



VALE A REFLEXÃO! 

Imagem da internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário